28 de fev de 2013

Uma reflexão para os pais

Os pais e a terceirização da educação


     "Neste momento, em algum lar, um professor está preparando a aula para seu filho na escola, enquanto você trabalha, assiste TV ou está no facebook. Neste mesmo minuto, professores do mundo todo estão usando seu “tempo livre”, muitas vezes gastando do seu próprio bolso, para a educação, prosperidade e futuro do seu filho. Portanto guarde alguns minutos do seu dia e converse com seu filho a respeito do que ele aprendeu na escola, revise seu caderno de aulas e auxilie-o na realização de suas tarefas, faça parte, seja consciente nessa etapa de sua vida."
     Instruir seu filho não é apenas pagar por uma escola cara, ou por um professor particular para acompanhá-lo. É preciso PARTICIPAR, CONVERSAR, SABER das coisas pelas quais seu filho passa na escola, tanto no que diz respeito aos estudos quanto à vida social dele. É preciso construir laços de confiança e de cumplicidade com os filhos. Essa relação precisa ser construída desde o maternal!

     

     Quando você delega à escola os cuidados para com o seu filho, até juridicamente, você ainda é o responsável por ele. O que acontece hoje é que os pais buscam, a todo momento, terceirizar a educação de seus rebentos, usando como justificativa a falta de tempo: "Eu trabalho muito!", "Mal tenho tempo pra mim!", "Não fico com meu filho, mas ele tem uma vida que eu não tive!", "Trabalhei o dia todo, será que não posso nem assistir ao jornal em paz?", "Estou pagando tão caro! Ainda tenho que ensinar em casa?"
     Na outra ponta dessa relação, quem aceita esse serviço fica em uma situação muito delicada, porque é impossível, ou extremamente difícil educar um ser humano que ainda está se formando quando não há base familiar, lar, zelo e responsabilidade aplicada por parte de quem deveria: os pais.
       A consequência disso tudo é um indivíduo sem formação moral sólida, com formação acadêmica precária, sozinho no mundo, entregue a si mesmo e à mercê da "escola das ruas", das drogas e de toda sorte de gente. Então, fica a pergunta: Que adulto você acha que esse indivíduo vai se tornar?

3 de jan de 2013

Olá, 2013!

     Oi pessoal!!!
     Um novo ano se inicia e blablabla??? Nananinanão!
     Já está tudo começado! Já fiz minha primeira aula de TaeBo com a LINDA da Shellie Blanks, já tô matriculada no Zouk de novo (porque tenho que me aperfeiçoar nisso que é minha paixão), já preparei as aulas que darei nas férias, já comprei as passagens das férias da família, já recrutei minha companheira de caminhada e já tô quase terminando de escrever meu livro!!!
     Em 2013 quero ser mais feliz e realizar mais que em 2012. Essa primeira semana do ano eu reservei pra traçar minhas metas e começá-las! Li que toda escolha tem um preço e que devemos pagar logo, começar logo, tirar as ambições do papel e da cabeça. Estou mais audaciosa nesse ano e tenho certeza que vou conseguir!
     Vai ver que Freud explica e Jung exemplifica, o fato é que essa mudança depende de mim, do que aprendi e do quanto estou disposta a ir pra frente, mas conto com o carinho que sempre tive por aqui! 
     Quero agradecer a todos vocês que dedicam um tempinho pra ler meus textos aqui e quero avisar que eu voltei, gente!!!!!! Em breve, vou publicar uns textos com umas reflexões que eu escrevi no ano passado e não tive tempo de compartilhar com vocês.
     Um grande beijo a todos!


Eu, pulando de cabeça em 2013!

24 de abr de 2012

Quando o corpo fala



A enfermidade é um conflito entre a personalidade e a alma.

O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.
O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.
E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?
A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.
O caminho para a felicidade não é reto, existem curvas chamadas equívocos, existem semáforos chamados amigos, luzes de precaução chamadas família, e ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada decisão, um potente motor chamado amor, um bom seguro chamado FÉ, abundante combustível chamado paciência. Mas principalmente um maravilhoso Condutor chamado DEUS.

Me identifiquei em algumas dessas enfermidades. Agora, é trabalhar para acabar com todas!!!
Trarei notícias.





17 de abr de 2012

Dúvida

     Há quanto tempo ensaio voltar aqui neste cantinho e escrever.... Escrever para que eu não sufoque, para que as palavras não me matem afogada, como num conto que li uma vez....
     Na minha vida, tudo muda muito rápido. Sempre fui uma garota precoce. Dei meu primeiro beijo aos 8 anos, comecei a trabalhar cedo, casei quando minhas amigas ainda estavam pensando no intercâmbio (algumas ainda estão planejando - até hoje...), tive filho antes de chegar a idade de casar. Aquela idade em que as mulheres ficam desesperadas... aqui em BH acontece aos 30... Já passei por tantas coisas que o leitor deve estar pensando que eu tenho uns 40 anos.... Sinto desapontar-lhe: tenho apenas 25.
     Hoje, terça feira, quase me afoguei. Acho que foi o que levou meus dedos a digitarem estas linhas de um texto que não é usual aqui no LETRAS... Um texto de alma diferente, sei lá.
     A minha percepção do mundo muda de acordo com as situações que eu estiver vivendo. É estranho. A mesma esquina da minha rua, por onde passo desde que me casei, tem um ar diferente. Fisicamente, nada mudou, mas eu percebo o ambiente energeticamente modificado. Coisa de gente que escuta espíritos, talvez...
    Há alguns meses, tenho percebido uma mudança forte, como um presságio de algo, não sei se bom ou ruim. Mas que uma mudança DAQUELAS vai acontecer, vai. Eu sei, sinto. Mas o que será? É essa dúvida que ma mata, me deixa ansiosa e me faz sentir suspensa no tempo. Parece que eu estou em um filme com time freeze... desesperador! 
    Tudo isso me aproxima do que é espiritual. Pra acalmar essa coisa que eu tentei explicar, só rezando....











            

2 de mar de 2012

Sentimentos



"Já não se encantarão os meus olhos nos teus olhos,
já não se adoçará junto a ti a minha dor.

Mas para onde vá levarei o teu olhar
e para onde caminhes levarás a minha dor.

Fui teu, foste minha. O que mais? Juntos fizemos
uma curva na rota por onde o amor passou.

Fui teu, foste minha. Tu serás daquele que te ame,
daquele que corte na tua chácara o que semeei eu.

Vou-me embora. Estou triste: mas sempre estou triste.
Venho dos teus braços. Não sei para onde vou.

...Do teu coração me diz adeus uma criança.
E eu lhe digo adeus."

Pablo Neruda